Saúde Bucal

A saúde começa pela boca, os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, na fala e na estética, influenciando diretamente a auto-estima do indivíduo e no seu contexto social.

O dente é um órgão vivo, que faz parte do nosso organismo.

Os dentes incisivos cortam, os caninos rasgam, os pré-molares trituram e os molares amassam os alimentos, contribuindo assim para a digestão.

O processo da mastigação é acionado por vários músculos da face que promovem movimentos para cima, para baixo e também lateralmente.
O alimento deve ser mastigado várias vezes para que seja devidamente aproveitado pelo organismo. Na mastigação, o alimento é reduzido a finas partículas que, misturadas com a saliva, converte-se numa massa pastosa:  o bolo alimentar, sendo esta a primeira fase da digestão.

 A saliva é rica em minerais como o cálcio e o fósforo, que compõem o esmalte do dente; portanto, quanto maior a quantidade de saliva presente, menor a possibilidade de adquirir a doença cárie.

 A boa mastigação garante um suave deslizamento do bolo alimentar pela faringe, devido à contração dos músculos da língua, assegurando a entrada do material deglutido no esôfago, seguindo para o estômago. A língua contribui também para limpeza dos dentes, na fonação e no paladar.

Além disso, grande parte das doenças   sistêmicas podem ter origem a partir de uma infecção buço dentária, a exemplo do reumatismo articular agudo, nefrite, artrite, gastrite, endocardite, entre outras. Muitas doenças sistêmicas manifestam-se na cavidade bucal, precedendo, às vezes, a sua sintomatologia clínica.
Este é o caso do sarampo, HIV, leucemia, entre outro.       

Doença periodontal:

A doença periodontal é provocada, principalmente, pela placa bacteriana, que é composta por resíduos alimentares e bactérias. A placa bacteriana é responsável pela inflamação da gengiva e do periodonto (estrutura que sustenta os dentes: osso alveolar, ligamento periodontal e cemento). Além disso, quando acumulada por um longo período, a placa pode endurecer pela deposição de sais minerais da saliva, originando o cálculo dental, popularmente conhecido como tártaro, que também contribui para a inflamação gengiva e, progressivamente, para as doenças periodontais

Consequências:

- Uma vez estabelecida a inflamação, pode ocorrer sangramento gengival, mau hálito e mobilidade dos dentes, podendo chegar até à perda dos mesmos.

- Ainda existe a possibilidade das bactérias presentes na boca se disseminarem pelo corpo, acarretando problemas de saúde geral.

Como prevenir:

 

- Manter a higiene bucal através da escovação, uso do fio dental e flúor;

-Visitar o cirurgião-dentista periodicamente para revisão e remoção profissional da placa bacteriana e tártaro, quando necessário.

Higiêne Bucal:

Quando o bebê não tem dentes, devemos limpar sua boca com uma gaze ou uma fralda umedecida, pelo menos uma vez ao dia. Espere para fazer esta higienização depois que o bebê regurgitar.

Com a higienização diária, a mãe previne a alteração da flora bacteriana na boca do bebê, diminui a acidez da saliva, o risco de gengivite o aparecimento de algumas doenças bucais como, por exemplo, o sapinho.

Se o bebê já tiver um dente, então a mãe deve utilizar uma escova de dente pequena e macia, não havendo necessidade do uso do creme dental. A pressão na hora da limpeza deve ser suave para não machucar a boca do bebê. Fazendo isso, a mãe estará proporcionando ao bebê um momento agradável e uma melhor saúde bucal, além de estabelecer um hábito saudável que ele terá para toda vida.

Sempre que perceber qualquer alteração estranha na boca do bebê, a mãe deve procurar o cirurgião-dentista.

As crianças precisam de ajuda na higienização até, pelo menos 06 anos de idade. Mesmo assim, após esta fase, a criança necessitada supervisão de um adulto.

A primeira visita ao Cirurgião Dentista:

Deve acontecer quando a mulher está no período da gestação ou, então, assim que o bebê nascer.

Mas sempre existe a pergunta: 

 "Por que ir ao dentista, se o bebê não tem dentes?"

Porque a mãe pode escolher o cirurgião-dentista que vai cuidar do bebê para receber orientações e não permitir a instalação de hábitos nocivos, tais como: colocar o bebê no berço sempre na mesma posição. O ideal é alternar a posição da cabeça da criança. Desta forma, estaremos evitando uma possível alteração da mordida; Deixar o bebê mamar deitado. O correto é deixara criança mamar na posição ligeiramente sentada para que aprenda a colocar a língua no lugar correto e não ter problemas com a fala, no futuro.

A outra grande vantagem da primeira visita é que, se o bebê ou a criança pequena vai desde cedo ao consultório dentário, e de preferência sem dor ou trauma dental, ela fará suas visitas futuras sentindo-se mais confortável e sem medos.

Má Oclusão:

Má oclusão é qualquer alteração no encaixe das arcadas, na posição normal dos dentes e na musculatura orofacial, podendo interferir na mastigação,na fala, na deglutição, na respiração, na estética e no convívio de crianças e adolescentes.

Visitar o cirurgião-dentista periodicamente;

Amamentar a criança para que sua língua exercite-se e ocupe uma posição correta dentro da boca. Assim, a língua não empurra e nem en torta os dentes, não alterando a posição normal dos mesmos. Além disso, a amamentação fortalece a musculatura do rosto e da língua, ajudando a criança a estabelecera respiração correta, pelo nariz. A respiração pela boca é errada e predispõem o indivíduo a muitas doenças, como as que acometem o trato respiratório;

Encaminhar a criança que possui o hábito da respiração bucal ao atendimento especializado e multiprofissional (cirurgião-dentista, otorrinolaringologista, pediatra e fonoaudiólogo);        

Evitar que a criança adquira hábitos como usar chupeta, chupar o dedo, apoiar o rosto com mão, dormir com brinquedos sob o rosto, entre outros;

O 1° molar permanente, que nasce aos 6 anos de idade, deve ser preservado, pois é fundamental no estabelecimento do encaixe correto dos dentes e da harmonia facial.

Como prevenir:

Manter a correta higiene bucal através da escovação, uso do fio dental e flúor, para que não ocorram perdas precoces que acarretarão movimentações dentárias prejudiciais ao adequado encaixe das arcadas;

Traumatismo sobre os dentes:

O trauma dental é uma lesão que pode ocorrer nas coroas ou raízes dos dentes.

As mais sérias são fraturas e avulsões (quando o dente sai por completo da boca). 

Estas lesões geralmente são provocadas por quedas, violência, acidentes de trânsito e outros, sendo bastante freqüentes em crianças em idade escolar.

 Alimentação Saudavel:

Os hábitos alimentares são adquiridos a partir dos primeiros dias de vida do bebê. Iniciam-se com o aleitamento materno, que deve ser preferencialmente até os 6 meses de vida, e que é importante para o desenvolvimento ósseo e muscular.

 

Após a erupção dos primeiros dentes, os alimentos sólidos são importantes para o exercício da mastigação. Assim que possível, deve-se restringir o uso da mamadeira, substituindo-a pela alimentação sólida.

A dieta deve ser equilibrada com frutas, verduras, legumes, carnes, ovos, leite, cereais, entre outros. Deve haver monitoramento dos horários das refeições, evitando-se, principalmente, alimentos açucarados e ácidos (limão, laranja, vinagre, etc) entre elas, pois os mesmos diminuem o pH do meio bucal (tornam o meio bucal mais ácido). Conseqüentemente, os dentes ficam mais vulneráveis à doença cárie.

Os alimentos açucarados pegajosos ou sólidos (balas de goma, biscoitos recheados, caramelos, etc) podem causar mais lesões cariosas que os líquidos (refrigerante, suco adoçado).
 

Quanto maior a freqüência de ingestão destes alimentos e quanto mais próximo do horário de dormir, maior o risco deformação das lesões cariosas.       

Cárie é uma doença infecciosa e transmissível, que pode ser adquirida na primeira infância, sendo a causa mais comum da dor de dente. Os restos  alimentares, principalmente os açucarados, que permanecem em contato com os dentes, são utilizados pelas bactérias presentes na boca, originando ácidos responsáveis pela destruição dental.      

Marque uma consulta para um exame completo, mesmo que aparentemente não haja nada de errado. Na sua primeira visita levantaremos um pouco do histórico da sua saúde geral. A visita ao dentista se resume a uma revisão do estado de integridade e higiêne dos dentes. A consulta de rotina, que inclue limpeza dos dentes e que, de preferência, deve ser feita a cada seis meses, ajuda a manter os seus dentes mais limpos e a durarem mais e evita o desenvolvimento de problemas que podem chegar a causar dor como a cárie.